Reconstituição mostra o rosto de d. Pedro I com fratura no nariz

A despeito de sua imagem de sedutor e galã, o primeiro imperador do Brasil, Dom Pedro I, não era tão garboso quanto ilustram as pinturas oficiais daquele tempo, que estampam livros escolares e povoam o imaginário do brasileiro. Uma inédita reconstituição facial feita em 3D a partir de fotografia do crânio do monarca mostra um homem com o nariz com uma deformidade em decorrência de uma suposta fratura ocorrida em vida, que não teria sido tratada de maneira adequada e nunca descrita na literatura especializada.

Por Edison Veiga, de Milão para a BBC Brasil

A reconstrução realista da face do imperador é resultado de um projeto idealizado pelo advogado José Luís Lira, professor da Universidade Estadual Vale do Aracaú, do Ceará. Ele adquiriu os direitos sobre uma fotografia realizada em 2012, quando os restos mortais do imperador foram exumados da cripta localizada no bairro do Ipiranga, zona sul de São Paulo, para um estudo científico realizado pela Universidade de São Paulo (USP). Devidamente autorizado pela Casa Imperial do Brasil – cujos representantes, herdeiros de Dom Pedro I, zelam por sua memória -, convidou o designer Cícero Moraes para realizar o trabalho de reconstituição.

As imagens foram encaminhadas ao perito legista Marcos Paulo Salles Machado, chefe do Serviço de Antropologia Forense do Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro e ex-presidente da Associação Brasileira de Antropologia Forense (ABRAF). Sem saber que se tratava do crânio de D. Pedro, ele estimou a idade como sendo de um adulto jovem – o primeiro imperador do Brasil morreu em 1834, pouco antes de completar 36 anos – de origem europeia. E cravou que o mesmo havia sofrido uma fratura no nariz. “O crânio dele tem uma deformação nos ossos nasais que sugere uma lesão, fruto de ação contundente da esquerda para a direita. Ele pode ter batido com o nariz e sofrido uma pequena fratura nessa região”, disse o perito, à BBC Brasil.

De acordo com o escritor e pesquisador Paulo Rezzutti, autor da biografia ‘D. Pedro: a História Não Contada – o Homem Revelado por Cartas e Documentos Inéditos’, não há nenhum registro de que o monarca tenha quebrado o nariz em vida. Mas quedas de cavalo eram comuns na vida atribulada do imperador. “Ele teve uma queda feia em 1824. E, alguns anos depois, teve um acidente ainda mais grave de carruagem na Rua do Lavradio, no Rio de Janeiro”, pontua o biógrafo.

Reconstrução
Lira conta que tomou a iniciativa de conduzir a reconstrução facial do imperador por admirar sua biografia, de “um liberal para sua época, defensor do pensamento constitucional em detrimento ao absolutismo então reinante”.

Ele conta que desde 2015 vinha conversando com o tetraneto de Pedro I, Bertrand de Orleans e Bragança, de quem obteve a autorização para realizar o procedimento a partir de imagens coletadas durante a exumação do imperador, em 2012. Lira, então, adquiriu uma imagem realizada na época e contou com os trabalhos do designer Cicero Moraes. “É uma alegria poder fazer com que todos os brasileiros conheçam a verdadeira face do homem que proclamou a Independência do Brasil e foi nosso primeiro imperador”, afirmou Lira.

O processo de reconstrução foi um pouco diferente do convencional, já que Moraes contava com apenas uma imagem. “Entretanto, a superfície que sustenta o crânio é reflexiva, então é como se tivéssemos duas imagens. Com duas imagens podemos fazer triangulações tridimensionais e obter pontos importantes do crânio”, explica ele. “O que fiz foi utilizar um doador virtual, ou seja, um crânio tridimensional de outro indivíduo, e adaptar a estrutura deste doador ao crânio de Dom Pedro I. Ao final do processo consegui fazer um ‘match’ entre a foto e o modelo 3D.”

O designer avalia que o imperador “era um homem de aparência agradável”. Mas ressalta o “nariz assimétrico”. “Essa assimetria é bastante atenuada quando a captura da face é feita levemente pela lateral”, sugere.

Gente como a gente
De certa forma, a face realista de D. Pedro I pode corroborar mais ainda a noção popular que ele era um homem muito mais próximo do povo do que da nobreza.

Segundo seu biógrafo Paulo Rezzutti, é essa característica popular que faz de D. Pedro um personagem tão simpático ao imaginário brasileiro.

“Porque ele foi, como o caipira diz, ‘gente como a gente, de bunda atrás e nariz na frente'”, afirma. “D. Pedro foi tão escrachado em tudo o que fez que não tem como deixar ao menos de gostar de sua autenticidade. Ele foi criado nas ruas do Rio de Janeiro, com o povo, gostava de música e de farra, como qualquer adolescente até hoje. O problema é que ele foi mulherengo a vida toda e isso deixou marcas profundas na forma como as pessoas passaram a vê-lo.”

Pesquisadores costumam concordar que o grande legado de D. Pedro I ao Brasil – além, é claro, da própria independência – foi a Constituição de 1824, a primeira do País.

“Nela, são vistos os ideais liberais de D. Pedro I. E ela durou até a queda da monarquia, em 1889 – é a Constituição mais longeva que o Brasil já teve”, conta Rezzutti.

“A Constituição de 1824 mostra, de forma explícita, o seu interesse pela educação no Brasil, em que determinava que ela deveria ser dada para todos, independente de cor, religião, credo ou posição social. A criação dos cursos Jurídicos no Brasil, em 1827, foi obra de sua gestão como imperador do Brasil.”

“O maior legado de D. Pedro I para o Brasil foi a Constituição de 1824”, concorda a historiadora Isabel Lustosa, autora de ‘D. Pedro I – Um Herói Sem Nenhum Caráter’.

“Apesar de ter sido uma constituição outorgada, quer dizer, dada pelo imperador à nação, depois dele ter dissolvido a Assembleia Constituinte em novembro de 1823, adotar uma forma de governo constitucionalista em um ambiente internacional dominado pela Santa Aliança foi uma atitude revolucionária. Foi uma constitucional liberal e avançada para o tempo, incluindo direitos e garantias individuais.”

Orleans e Bragança, o tetraneto do imperador, é de opinião semelhante. “D. Pedro I é o responsável pela nossa unidade territorial – e também política, psicológica e social. Além da Independência, também nos legou a Constituição de 1824, que não era casuística como a atual Constituição Brasileira”, diz ele.

Enquanto fazia a imagem de D. Pedro, o designer Moraes pensava na proximidade que um personagem de tal dimensão tem na vida do brasileiro. “É como um amigo, um parente, alguém que conviveu com a gente em parte considerável da vida”, comenta, lembrando que imagens do imperador são mostradas na escola e em produções da cultura pop.

Recentemente, Moraes também reconstruiu em 3D o que se supõe ser a verdadeira face de São Valentim, o santo padroeiro dos namorados.

Por Edison Veiga, de Milão para a BBC Brasil