Homo naledi pode ter convivido com ancestrais humanos

Espécie de hominídeo descoberta na África do Sul é mais recente do que se esperava, apesar de apresentar características primitivas, como o cérebro pequeno.

O Homo naledi, uma espécie de hominídeo descoberta na África do Sul em 2013, viveu “apenas” centenas de milhares de anos atrás, o que indica que ele conviveu com ancestrais humanos na região, afirmaram cientistas nesta terça-feira (9 de maio de 2017).

Um processo rigoroso de datação mostrou que o Homo naledi viveu entre 236 mil e 335 mil anos atrás, um período extremamente recente em termos paleontológicos, afirmou o cientista Lee Berger, da Universidade de Witwatersrand, em Johanesburgo.

“É a primeira vez que se demonstra que outra espécie de hominídeo viveu junto aos primeiros humanos na África”, afirma um comunicado dos pesquisadores. “É algo surpreendente”, disse Berger, sobre a época em que viveu a espécie. “Pensávamos que poderia ter sido há milhões de anos.”

Em 2015, quando a descoberta foi anunciada, Berger foi muito criticado por paleontólogos de todo o mundo por apresentar a descoberta do Homo naledi sem ter feito a datação dos fósseis encontrados.

O Homo naledi mistura características humanas recentes e primitivas, como um cérebro pequeno, o que levou cientistas a especular que ele fosse um dos exemplares mais antigos do gênero Homo.

“Isso [o período em que a espécie viveu] é surpreendentemente recente para uma espécie que ainda mostra características primitivas, encontradas em fósseis com cerca de 2 milhões de anos, como o tamanho pequeno do cérebro, os dedos curvos e os formatos dos ombros, tronco e articulação dos quadris”, comentou o cientista Chris Stringer, do Museus de História Natural de Londres, em declarações à agência de notícias AP.

“Já pulso, mãos, pernas e pés parecem mais com os dos Neandertais e humanos modernos, e os dentes são relativamente pequenos e simples”, completou o especialista.

A revelação sobre a datação dos fósseis de Homo naledi vem acompanhada do descobrimento dos restos de três espécimes dessa classe de hominídeos, uma criança e dois adultos, um dos quais com o crânio num estado de conservação muito bom.

Os novos fósseis foram encontrados numa cavidade adjacente à que abrigava os primeiros achados do Homo naledi, o que leva os cientistas a pensar que essa espécie guardava seus mortos numa parte separada das cavernas em que vivia.

O Homo naledi foi descoberto em 2013 no conjunto de cavernas conhecido como “Rising Star” (estrela crescente), localizado perto de Johanesburgo, na África do Sul. No local foram encontrados os ossos de 15 indivíduos da espécie, o que permitiu documentar e descrever o esqueleto do Homo naledi com riqueza de detalhes. “Naledi” significa estrela na língua tsuana.

Fonte: G1/AFP/DW

Para ler o artigo da  Universidade de Witwatersrand, em Johanesburgo, clique aqui.